terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Saudades do Professor Waldemar Saffioti

In Memorian























Tive o grande privilégio de conviver com esse senhor.O professor Waldemar Saffioti , bacharel em química e graças a ele que em 1960, se instalou o curso de química na atual UNESP de Araraquara.








Fiquei muito feliz ao saber por uma grande amiga em comum, que a sua antiga morada foi transformada em um Centro Cultural, preservando não só a natureza exuberante que lá existe, como a grandeza de arquivos e livros deixados pelo professor.Achei esse site que poderá esclarecer muito melhor do que as poucas palavras aqui escritas por mim.Espero que gostem e aproveitem.
Informações
Centro Cultural Professor Waldemar Saffiot
iCorreio eletrônico - ccpws@iq.unesp.br
Rua dos Libaneses, 1111 - Carmo
CEP 14800-165
Araraquara (SP)
Tel. (16) 3332-1505


Texto da Lê Caiado.


"Personagens do meu livro de memórias... ... Desenhos que a vida vai fazendo..." Gosto de usar minha corrente de corações prateados. Ela me faz lembrar a Elvira, que há tempos não vejo. Quando digo "até segunda" me recordo do Jairo, um moço "bunda pesada" (e muito querido) que me ajudou a entender um pouco de Física e de Matemática, e que também anda sumido. Textos bonitos me fazem pensar na Vylna, uma mulher inacreditável com quem venho trocando palavras e idéias e que me apresentou à poesia bonita de seu pai, à suavidade de Midas e à delicadeza da vida. Andar de ônibus ou às vezes a pé, me faz sentir a presença do Júnior, dono de um sorriso encantador, que me ensinou a gostar de Halls e a dar valor nas coisas simples. As músicas do Raul e do Bob que a Elis canta me fazem perceber que o importante mesmo é ser feliz, sem se preocupar. A inteligência da Chel faz com que eu queira saber mais sobre as complexidades do universo e sobre os átomos que não vejo. O jeitinho simples e descontraído da Bela e da Jú abrem um sorriso tímido (ou uma risada um tanto exagerada) no meu rosto, mesmo nos dias mais estranhos e ruins. O "tudo bom?" da Fer alegra meu dia. As gírias que ela diz aumentam o meu vício lingüístico (mesmo assim, não me canso de falar contigo pelo menos umas duas vezes em 24 horas). A simplicidade e o jeito espontâneo da Elaine (uma moça muito fucutchuca que é mãe do Wilson) me fazem querer ser uma pessoa melhor. O Lê, um cara de sensibilidade única e rara, me dá conselhos e me apresenta a músicos que eu não dava muita importância e hoje não sei viver sem. É sempre bom estar com ele, em qualquer ocasião. Ele é essencial e isso é inexplicável. Os segredos que tentamos guardar com tanto cuidado são revelados sem motivos, por outras pessoas. Vai entender?! O modo de falar do Nathan me encanta. Quando ouço a Ana me lembro da Claudinha, virginiana e um tanto indecisa quanto eu, que vive na boemia e nos seus eternos 24 anos. Se escuto Ben Harper me vem à cabeça a Fer, loira, uma menina bastante especial. As vozes firmes e as risadas alegres me fazem lembrar a Sílvia, uma grande mulher que certamente será para sempre lembrada, com carinho e saudade. O Thiago me demonstra que diferenças são fundamentais e que respeito é tudo numa amizade, ainda mais quando mudanças inusitadas acontecem. As curiosidades da Nah, uma poia que eu adoro demais, e o encanto que ela tem pelo rosa me fazem querer voltar a ser criança e a viver num mundo bem colorido e cheio de confetes irregulares. Os desenhos, o sorriso e os abraços da Natália me fazem uma falta danada (queria ter você como filha). A vitalidade da Tânia provoca em mim o desejo de permanecer viva e a vontade de querer ser, de uma vez por todas, independente e livre. Fim.


[Das pessoas encantadoras (que vocês são)]

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Mangueira 2009




Deus me fez assim filho desse chão
Sou povo, sou raça... miscigenação
Mangueira viaja nos brasis dessa nação
O branco aqui chegou
No paraíso se encantou
Ao ver tanta beleza no lugar
Quanta riqueza pra explorar
Índio valente guerreiro
Não se deixou escravizar, lutou...
E um laço de união surgiu
O negro mesmo entregue a própria sorte
Trabalhou com braço forte
Na construção do meu Brasil
É sangue, é suor, religião
Mistura de raças num só coração
Um elo de amor à minha bandeira
Canta a Estação Primeira
Cada lágrima que já rolou
Fertilizou a esperança
Da nossa gente, valeu a pena
De Norte a Sul desse país
Tantos brasis, sagrado celeiro
Crioulo, caboclo, retrato mestiço,
De fato, sou brasileiro!
Sertanejo, caipira, matuto... sonhador
Abraço o meu irmão
Pra reviver a nossa história
Deixar guardado na memória... o seu valor
Sou a cara do povo... Mangueira
Eterna paixão
A voz do samba é verde e rosa
E nem cabe explicação






" Entre aspas".


Às vezes o lúdico foge e me deixa com a impressão de que o vento traz somente poeira, de que pedra é apenas pedra e que amor ou paixão é coisa de doido carente querendo nos deixar com cara de bobocas.Os dias vão e vem e com eles a vontade de fazer acontecer de maneira nova e prazerosa nos dá a impressão de que tudo não passa de um grande equívoco onde cada amanhecer sendo único, torna única também a certeza de que hoje será um dia melhor do que ontem, porém não tanto qto o que virá amanhã.Para algumas pessoas, falar sobre o que acontece, deixa o ar mais suave, como se os medos e fobias pudessem ser exorcizados quando os nomes deles são tocados.Nem sempre isso acontece.Pois é, infelizmente, ou felizmente, sei lá. Talvez se isso desse certo, os psicanalistas e psicólogos não existissem mais, porque seria fácil solucionar os traumas que todos sempre carregam desde a infãncia. Nada de divãs e nem de conversas longas recheadas com perguntas indiscretas e desenhinhos nada lógicos que nos transmitem a sensação de que se não somos .....estamos a caminho de ficarmos desorientados.A sociedade nos cobra obrigações que nem sempre estão condizendo com o que gostaríamos que acontecesse." meninas brincam com bonecas e meninos dão socos e chutes e possuem coleções de carrinhos sobre o criado-mudo".Porque?

" Aos 17 ou 18 anos você se vê obrigado a escolher sua futura profissão, porque chegou a hora de crescer". É cedo, complicado e muito estressante, porque o medo de fracassar sempre nos persegue desde que o mundo é mundo.

Os dias serão sempre iguais, só depende da maneira que você está olhando para ele.

Tire alguns minutos para você.Respire fundo, sinta os cheiros, olhe as nuvens, flerte com você fazendo caras e bocas na frente de um espelho qualquer, ria de si mesmo, escute o silêncio ao seu redor, estacione o carro em uma rua qualquer e observe o ir e vir das pessoas e bichos, escute uma música dirigindo, cante junto, se enfeite, se perfume, deixe de ser alguém para alguém, seja apenas para você.

Não devemos fazer apenas o que nos impõem, devemos buscar o que nos gratifica, porque pensar com a cabeça alheia além de fácil é perigoso também.Cresça, amadureça...apareça.Pense, reflita, questione, leia, pesquise e faça acontecer se não tudo, pelo menos uma parte da maneira como lhe agrada, porque só fazendo assim´é que você poderá existir de verdade, deixando de ser apenas sombra à imagem de outrem.

Sabe, acho que deviam pedir conselhos aos poetas porque eles enxergam a vida de maneira mais bela e simples, deixando um não sei que no ar, mas que é colorido.....isso é.


Vylna Cassoni

22/02/09

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

51 DICAS PRÁTICAS PARA VOCÊ ECONOMIZAR ENERGIA E PROTEGER O PLANETA


1. TAMPE SUAS PANELAS ENQUANTO COZINHA. Parece óbvio, não é? E é mesmo! Ao tampar as panelas enquanto cozinha você aproveita o calor que simplesmente se perderia no ar.
2. USE UMA GARRAFA TÉRMICA COM ÁGUA GELADA. Compre daquelas garrafas térmicas de acampamento, de 2 ou 5 litros.Abasteça-a de água bem gelada com uma bandeja de cubos de gelo pela manhã. Você terá água gelada até a noite e evitará o abre-fecha dageladeira toda vez que alguém quiser beber um copo d’água.
3. APRENDA A COZINHAR EM PANELA DE PRESSÃO. Acredite… dá pra cozinhar tudo em panela de pressão: Feijão, arroz, macarrão, carne, peixe etc… Muito mais rápido e economizando 70% de gás.
4. COZINHE COM FOGO MÍNIMO. Se você não faltou às aulas de física no 2º grau você sabe: Não adianta, por mais que você aumente o fogo, sua comida não vai cozinhar mais depressa, pois a água não ultrapassa 100ºC em uma panela comum. Com o fogo alto, você vai é queimar sua comida.
5. ANTES DE COZINHAR, RETIRE DA GELADEIRA TODOS OS INGREDIENTES DE UMA SÓ VEZ. Evite o abre-fecha da geladeira toda vez que seu cozido precisar de uma cebola, uma cenoura, etc…
6. COMA MENOS CARNE VERMELHA. A criação de bovinos é um dos maiores responsáveis pelo efeito estufa. Não é piada. Você já sentiu aquele cheiro pavoroso quando você se aproximou de alguma fazenda/criação de gado? Pois é: É metano, um gás inflamável, poluente, e mega fedorento. Além disso, a produção de carne vermelha demanda uma quantidade enorme de água. Para você ter uma idéia: Para produzir 1kg de carne vermelha são necessários 200 litros de água potável. O mesmo quilo de frango só consome 10 litros.
7. NÃO TROQUE O SEU CELULAR. Já foi tempo que celular era sinal de status. Hoje em dia qualquer Zé Mané tem. Trocar por um mais moderno para tirar onda? Ninguém se importa. Fique com oantigo pelo menos enquanto estiver funcionando perfeitamente ou em bom estado. Se o problema é a bateria, considere o custo/benefício trocá-la e descartá-la adequadamente, encaminhando-a apostos de coleta. Celulares trouxeram muita comodidade à nossa vida, mas utilizam de derivados de petróleo em suas peças e metais pesados em suas baterias. Além disso, na maioria das vezes sua produção é feita utilizando mão de obra barata em países em desenvolvimento. Utilize seus gadgets até o final da vida útil deles, lembre-se de que eles certamente não foram nada baratos.
8. COMPRE UM VENTILADOR DE TETO. Nem sempre faz calor suficiente pra ser preciso ligar o ar condicionado. Na maioria das vezes um ventilador de teto é o ideal para refrescar o ambiente gastando 90%menos energia. Combinar o uso dos dois também é uma boa idéia. Regule seu ar condicionado para o mínimo e ligue o ventilador de teto.
9. USE SOMENTE PILHAS E BATERIAS RECARREGÁVEIS. É certo que são caras, mas ao uso em médio e longo prazo elas se pagam com muito lucro. Duram anos e podem ser recarregadas em média 1000 vezes.
10. LIMPE OU TROQUE OS FILTROS O SEU AR CONDICIONADO. Um ar condicionado sujo representa 158 quilos de gás carbônico a mais na atmosfera por ano.
11. TROQUE SUAS LÂMPADAS INCANDESCENTES POR FLUORESCENTES. Lâmpadas fluorescentes gastam 60% menos energia que uma incandescente. Assim, você economizará 136 quilos de gás carbônicoanualmente.
12. ESCOLHA ELETRODOMÉSTICOS DE BAIXO CONSUMO ENERGÉTICO. Procure por aparelhos com o selo do Procel (no caso de nacionais) ou Energy Star (no caso de importados).
13. NÃO DEIXE SEUS APARELHOS EM STAND BY. Simplesmente desligue ou tire da tomada quando não estiver usando um eletrodoméstico. A função de standby de um aparelho usa cerca de 15% a 40%da energia consumida quando ele está em uso.
14. MUDE SUA GELADEIRA OU FREEZER DE LUGAR. Ao colocá-los próximos ao fogão, eles utilizam muito mais energia para compensar o ganho de temperatura. Mantenha-os afastados pelos menos 15cmdas paredes para evitar o superaquecimento. Colocar roupas e tênis para secar atrás deles então, nem pensar!
15. DESCONGELE GELADEIRAS E FREEZERS ANTIGOS A CADA 15 OU 20 DIAS. O excesso de gelo reduz a circulação de ar frio no aparelho, fazendo que gaste mais energia para compensar. Se for o caso,considere trocar de aparelho. Os novos modelos consomem até metade da energia dos modelos mais antigos, o que subsidia o valor do eletrodoméstico a médio/longo prazo.
16. USE A MÁQUINA DE LAVAR ROUPAS/LOUÇA SÓ QUANDO ESTIVEREM CHEIAS. Caso você realmente precise usá-las com metade da capacidade, selecione os modos de menor consumo de água. Se você usalava-louças, não é necessário usar água quente para pratos e talheres pouco sujos. Só o detergente já resolve.
17. RETIRE IMEDIATAMENTE AS ROUPAS DA MÁQUINA DE LAVAR QUANDO ESTIVEREM LIMPAS. As roupas esquecidas na máquina de lavar ficam muito amassadas, exigindo muito mais trabalho e tempo para passar e consumindo assim muito mais energia elétrica.
18. TOME BANHO DE CHUVEIRO. E de preferência, rápido. Um banho de banheira consome até quatro vezes mais energia e água que um chuveiro.
19. USE MENOS ÁGUA QUENTE. Aquecer água consome muita energia. Para lavar a louça ou as roupas, prefira usar água morna ou fria.
20. PENDURE AO INVÉS DE USAR A SECADORA. Você pode economizar mais de 317 quilos de gás carbônico se pendurar as roupas durante metade do ano ao invés de usar a secadora.
21. NUNCA É DEMAIS LEMBRAR: RECICLE NO TRABALHO E EM CASA. Se a sua cidade ou bairro não tem coleta seletiva, leve o lixo até um posto de coleta. Lembre-se de que o material reciclável deve ser lavado (no caso de plásticos, vidros e metais) e dobrado (papel).
22. FAÇA COMPOSTAGEM. Cerca de 3% do metano que ajuda a causar o efeito estufa é gerado pelo lixo orgânico doméstico. Aprenda a fazer compostagem: além de reduzir o problema, você terá umjardim saudável e bonito.
23. REDUZA O USO DE EMBALAGENS. Embalagem menor é sinônimo de desperdício de água, combustível e recursos naturais. Prefira embalagens maiores, de preferência com refil. Evite aomáximo comprar água em garrafinhas, leve sempre com você a sua própria.
24. COMPRE PAPEL RECICLADO. Produzir papel reciclado consome de 70 a 90% menos energia do que o papel comum, e poupa nossas florestas.
25. UTILIZE UMA SACOLA PARA AS COMPRAS. Sacolinhas plásticas descartáveis são um dos grandes inimigos do meio-ambiente. Elas não apenas liberam gás carbônico e metano naatmosfera, como também poluem o solo e o mar. Quando for ao supermercado, leve uma sacola de feira ou suas próprias sacolinhas plásticas.
26. PLANTE UMA ÁRVORE. Uma árvore absorve uma tonelada de gás carbônico durante sua vida. Plante árvores no seu jardim ou inscreva-se em programas como o SOS Mata Atlântica ou Iniciativa Verde.
27. COMPRE ALIMENTOS PRODUZIDOS NA SUA REGIÃO. Fazendo isso, além de economizar combustível, você incentiva o crescimento da sua comunidade, bairro ou cidade.
28. COMPRE ALIMENTOS FRESCOS AO INVÉS DE CONGELADOS. Comida congelada além de mais cara, consome até 10 vezes mais energia para ser produzida. É uma praticidade que nem sempre vale a pena.
29. COMPRE ORGÂNICOS. Por enquanto, alimentos orgânicos são um pouco mais caros, pois a demanda ainda é pequena no Brasil. Mas você sabia que, além de não usar agrotóxicos, os orgânicosrespeitam os ciclos de vida de animais, insetos e ainda por cima absorvem mais gás carbônico da atmosfera que a agricultura “tradicional”? Se toda a produção de soja e milho dos EUA fosse orgânica, cerca de 240 bilhões de quilos de gás carbônico seriam removidos da atmosfera. Portanto, incentive o comércio de orgânicos para que os preços possam cair com o tempo.
30. ANDE MENOS DE CARRO. Use menos o carro e mais o transporte coletivo (ônibus, metrô) ou o limpo (bicicleta ou a pé). Se você deixar o carro em casa 2 vezes por semana, deixará de emitir 700quilos de poluentes por ano.
31. NÃO DEIXE O BAGAGEIRO VAZIO EM CIMA DO CARRO. Qualquer peso extra no carro causa aumento no consumo de combustível. Um bagageiro vazio gasta 10% a mais de combustível, devido ao seu peso e aumento da resistência do ar.
32. MANTENHA SEU CARRO REGULADO. Calibre os pneus a cada 15 dias e faça uma revisão completa a cada seis meses, ou de acordo com a recomendação do fabricante. Carros regulados poluem menos. Amanutenção correta de apenas 1% da frota de veículos mundial representa meia tonelada de gás carbônico a menos na atmosfera.
33. LAVE O CARRO A SECO. Existem diversas opções de lavagem sem água, algumas até mais baratas do que a lavagem tradicional, que desperdiça centenas de litros a cada lavagem. Procure no seu posto de gasolina ou no estacionamento do shopping.
34. QUANDO FOR TROCAR DE CARRO, ESCOLHA UM MODELO MENOS POLUENTE. Apesar da dúvida sobre o álcool ser menos poluente que a gasolina ou não, existem indícios de que parte do gás carbônico emitido pela sua queima é reabsorvida pela própria cana de açúcar plantada. Carros menores e de motor 1.0 poluem menos. Em cidades como São Paulo, onde no horário de pico anda-se a 10km/h, não faz muito sentido ter carros grandes e potentes para ficar parados nos congestionamentos.
35. USE O TELEFONE OU A INTERNET. A quantas reuniões de 15 minutos você já compareceu esse ano, para as quais teve que dirigir por quase uma hora para ir e outra para voltar? Usar o telefone ou skypepode poupar você de stress, além de economizar um bom dinheiro e poupar a atmosfera.
36. VOE MENOS, REÚNA-SE POR VIDEOCONFERÊNCIA. Reuniões por videoconferência são tão efetivas quanto as presenciais. E deixar de pegar um avião faz uma diferença significativa para a atmosfera.
37. ECONOMIZE CDS E DVDS, CDs e DVDs. Sem dúvida são mídias eficientes e baratas, mas você sabia que um CD leva cerca de 450 anos para se decompor e que, ao ser incinerado, ele volta como chuvaácida (como a maioria dos plásticos)? Utilize mídias regraváveis, como CD-RWs, drives USB ou mesmo e-mail ou FTP para carregar ou partilhar seus arquivos. Hoje em dia, são poucos arquivos que não podem ser disponibilizados virtualmente ao invés de em mídias físicas.
38. PROTEJA AS FLORESTAS. Por anos os ambientalistas foram vistos como “eco-chatos”. Mas em tempos de aquecimento global, asárvores precisam de mais defensores do que nunca. O papel delas noaquecimento global é crítico, pois mantém a quantidade de gás carbônico controlada na atmosfera.
39. CONSIDERE O IMPACTO DE SEUS INVESTIMENTOS. O dinheiro que você investe não rende juros sozinho. Isso só acontece quando ele é investido em empresas ou países que dão lucro.Na onda da sustentabilidade, vários bancos estão considerando o impacto ambiental das empresas em que investem o dinheiro dos seus clientes. Informe-se com o seu gerente antes de escolher o melhorinvestimento para você e o meio ambiente.
40. INFORME-SE SOBRE A POLÍTICA AMBIENTAL DAS EMPRESAS QUE VOCÊ CONTRATA. Seja o banco onde você investe ou o fabricante do shampoo que utiliza, todas as empresas deveriam ter políticasambientais claras para seus consumidores. Ainda que a prática esteja se popularizando, muitas empresas ainda pensam mais nos lucros e na imagem institucional do que em ações concretas. Por isso, não olhe apenaspara as ações que a empresa promove, mas também a sua margem de lucro alardeada todos os anos. Será mesmo que eles estão colaborando tanto assim?
41. DESLIGUE O COMPUTADOR. Muita gente tem o péssimo hábito de deixar o computador de casa ou da empresa ligado ininterruptamente, às vezes fazendo downloads, às vezes simplesmentepor comodidade. Desligue o computador sempre que for ficar mais de 2 horas sem utilizá-lo e o monitor por até quinze minutos.
42. CONSIDERE TROCAR SEU MONITOR. O maior responsável pelo consumo de energia de um computador é o monitor. Monitores de LCD são mais econômicos, ocupam menos espaço na mesa e estãoficando cada vez mais baratos. O que fazer com o antigo? Doe a instituições como o Comitê para a Democratização da Informática.
43. NO ESCRITÓRIO, DESLIGUE O AR CONDICIONADO UMA HORA ANTES DO FINAL DO EXPEDIENTE. Num período de 8 horas, isso equivale a 12,5% de economia diária, o que equivale a quase um mês deeconomia no final do ano. Além disso, no final do expediente a temperatura começa a ser mais amena.
44. NÃO PERMITA QUE AS CRIANÇAS BRINQUEM COM ÁGUA. Banho de mangueira, guerrinha de balões de água e toda sorte de brincadeiras com água são sem dúvida divertidas, mas passam a equivocadaidéia de que a água é um recurso infinito, justamente para aqueles que mais precisam de orientação, as crianças. Não deixe que seus filhos brinquem com água, ensine a eles o valor desse bem tão precioso.
45. NO HOTEL, ECONOMIZE TOALHAS E LENÇOIS. Use o bom senso…. Você realmente precisa de uma toalha nova todo dia? Você é tão imundo assim? Em hotéis, o hóspede tem a opção de não ter astoalhas trocadas diariamente, para economizar água e energia. Trocar uma vez a cada 3 dias já está de bom tamanho. O mesmo vale para os lençóis…
46. PARTICIPE DE AÇÕES VIRTUAIS. A Internet é uma arma poderosa na conscientização e mobilização das pessoas. Um exemplo é o site www.clickarvore.com.br , que você pode plantar árvores todos os dias com a ajuda dos internautas. Informe-se e aja! ou - Clique Aqui !
47. INSTALE UMA VÁLVULA NA SUA DESCARGA. Instale uma válvula para regular a quantidade de água liberada no seu vaso sanitário: mais quantidade para o número 2, menos para o número 1!
48. NÃO PEÇA COMIDA PARA VIAGEM. Se você já foi até o restaurante ou à lanchonete, que tal sentar um pouco e curtir sua comida ao invés de pedir para viagem? Assim você economiza as embalagensde plástico e isopor utilizadas.
49. REGUE AS PLANTAS À NOITE. Ao regar as plantas à noite ou de manhãzinha, você impede que a água se perca na evaporação, e também evita choques térmicos que podem agredir suas plantas.
50. FREQUENTE RESTAURANTES NATURAIS/ORGÂNICOS. Com o aumento da consciência para a preservação ambiental, uma gama enorme de restaurantes naturais, orgânicos e vegetarianos estáse espalhando pelas cidades. Ainda que você não seja vegetariano, experimente os novos sabores que essa onda verde está trazendo e assim estará incentivando o mercado de produtos orgânicos, livres de agrotóxicos e menos agressivos ao meio-ambiente.
51. VÁ DE ESCADA. Para subir até dois andares ou descer três, que tal ir de escada? Além de fazer exercício, você economiza energia elétrica dos elevadores.

Circo legal não tem animal


No dia 24/06/08 , foi sancionado o projeto que proíbe a utilização de animais nos circos do Rio Grande do Sul. Em Rio Grande, já havia sido criada a Lei Municipal de número 5.970 de agosto de 2005 proibindo a utilização de animais em espetáculos circenses. A Lei Estadual (nº 12.994/2008) reforça a luta de inúmeras organizações não-governamentais (ONGs) que protestam contra os maus-tratos em animais de qualquer espécie.
O projeto é de autoria do deputado Miki Breier (PSB). Segundo ele, as diversas manifestações de apoio de entidades de proteção animal colaboraram para a aprovação do projeto. O descumprimento da lei acarretará a imediata interdição do estabelecimento e a apreensão dos animais. Eles deverão ser albergados em instituições designadas por órgãos do Sistema Nacional do Meio Ambiente para serem avaliados por veterinários e enviados para um local adequado.
“A medida busca evitar casos de maus-tratos e abandono contra os animais”, destacou o parlamentar enfatizando que “com a lei em vigor os artistas circenses ganharão mais valor nas exibições”. Citou como exemplo o Circo de Soleil, pioneiro pela não-utilização de animais e com excelentes apresentações e valorização dos artistas.

Hora do planeta


Sábado, 28 de março, às 20h30Planeta em AçãoA Hora do Planeta, conhecida globalmente como Earth Hour, é uma iniciativa global da Rede WWF sobre mudanças climáticas. No sábado, dia 28 de março de 2009, às 20h30, pessoas, empresas, comunidades e governo são convidados a apagar suas luzes pelo período de uma hora para mostrar seu apoio ao combate ao aquecimento global.


http://www.youtube.com/watch?v=aeYugbX8YDU


FAÇA VOCÊ A SUA PARTE TAMBÉM! CONCIENTIZE-SE!

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Fotos que marcaram o mundo

"O coronel assassinou o preso; mas e eu... assassinei o coronel com minha câmara? - Palavras de Eddie Adams, fotógrafo de guerra, autor desta foto que mostra o assassinato, em um de fevereiro de 1968, por parte do chefe de polícia de Saigon, a sangue frio, de um guerrilheiro do Vietcong. Adams, correspondente em 13 guerras, obteve por esta fotografia um prêmio Pulitzer; mas ficou tão emocionalmente tocado com ela que se converteu em fotógrafo paisagístico.
Em 1994, o fotógrafo Sudanês Kevin Carter ganhou o prêmio Pulitzer de fotojornalismo com uma fotografia tomada na região de Ayod (uma pequena aldeia em Suam), que percorreu o mundo inteiro. A figura esquelética de uma pequena menina, totalmente desnutrida, recostando-se sobre a terra, esgotada pela fome, e a ponto de morrer, enquanto num segundo plano, a figura negra expectante de um abutre se encontra espreitando e esperando o momento preciso da morte da garota. Quatro meses depois, abrumado pela culpa e conduzido por uma forte dependência às drogas, Kevin Carter suicidou-se.

The Falling ManThe Falling Man é o título de uma fotografia tirada por Richard Drew durante os atentados do 11 de setembro de 2001 contra as torres gêmeas do WTC. Na imagem pode-se ver um homem atirando-se de uma das torres. A publicação do documento pouco depois dos atentados irritou a certos setores da opinião pública norte-americana. Ato seguido, a maioria dos meios de comunicação se auto-censurou, preferindo mostrar unicamente fotografias de atos de heroísmo e sacrifício. Ah sim... mas eles passaram exaustivamente na TV a morte de Saddam.


Protegendo a criaUma mãe cruza o rio com os filhos durante a guerra do Vietnã em 1965 fugindo da chuva de bombas americanas.



A menina do VietnãEm oito de junho de 1972, um avião norte-americano bombardeou a população de Trang Bang com napalm. Ali se encontrava Kim Phuc e sua família. Com sua roupa em chamas, a menina de nove anos corria em meio ao povo desesperado e no momento, que suas roupas tinham sido consumidas, o fotógrafo Nic Ut registou a famosa imagem. Depois, Nic levou-a para um hospital onde ela permaneceu por durante 14 meses sendo submetida a 17 operações de enxerto de pele. Qualquer um que vê essa fotografia, mesmo que menos sensível, poderá ver a profundidade do sofrimento, a desesperança, a dor humana na guerra, especialmente para as crianças. Hoje em dia Pham Thi Kim Phuc está casada, com dois filhos e reside no Canadá onde preside a "Fundação Kim Phuc", dedicada a ajudar as crianças vítimas da guerra e é embaixadora da UNESCO




A menina Afegã.Sharbat Gula foi fotografada quando tinha 12 anos pelo fotógrafo Steve McCurry, em junho de 1984. Foi no acampamento de refugiados Nasir Bagh do Paquistão durante a guerra contra a invasão soviética. Sua foto foi publicada na capa da National Geographic em junho de 1985 e, devido a seu expressivo rosto de olhos verdes, a capa converteu-se numa das mais famosas da revista e do mundo. No entanto, naquele tempo ninguém sabia o nome da garota. O mesmo homem que a fotografou realizou uma busca à jovem que durou exatos 17 anos. Em janeiro de 2002, encontrou a menina, já uma mulher de 30 anos e pôde saber seu nome. Sharbat Gula vive numa aldeia remota do Afeganistão, é uma mulher tradicional pastún, casada e mãe de três filhos. Ela regressou ao Afeganistão em 1992.





Omayra Sanchez foi uma menina vítima do vulcão Nevado do Ruiz durante a erupção que arrasou o povoado de Armero, Colômbia em 1985. Omayra ficou três dias jogada sobre o lodo, agua e restos de sua própria casa e presa aos corpos dos próprios pais. Quando os paramédicos de parcos recursos tentaram ajudá-la, comprovaram que era impossível, já que para tirá-la precisavam amputar-lhe as pernas, e a falta de um especialista para tal cirurgia resultaria na morte da menina. Omayra mostrou-se forte até o último momento de sua vida, segundo os paramédicos e jornalistas que a rodeavam. Durante os três dias, manteve-se pensando somente em voltar ao colégio e a seus exames e a convivência com seus amigos. O fotógrafo Frank Fournier, fez uma foto de Omayra que deu a volta ao mundo e originou uma controvérsia a respeito da indiferença do Governo Colombiano com respeito às vítimas de catástrofes. A fotografia foi publicada meses após o falecimento da garota, agonia vivenciada em tempo real...infelizmente






A famosa foto de Che Guevara, conhecida formalmente como "Guerrilheiro Heróico", onde aparece seu rosto com a boina negra olhando ao longe, foi tirada por Alberto Korda em cinco de março de 1960 quando Guevara tinha 31 anos num enterro de vítimas de uma explosão. Somente foi publicada sete anos depois. O Instituto de Arte de Maryland - EUA denominou-a "A mais famosa fotografia e maior ícone gráfico do mundo do século XX". É, sem sombra de dúvidas, imagem mais reproduzida de toda a história expressa um símbolo universal de rebeldia, em todas suas interpretações, (segue sendo um ícone para a juventude não filiada às tendências políticas principais).







Mulheres



Certo dia parei para observar as mulheres e só pude concluir uma coisa: elas não são humanas.São espiãs. Espiãs de Deus, disfarçadas entre nós. Pare para refletir sobre o sexto-sentido.
Alguém duvida de que ele exista?
E como explicar que ela saiba exatamente qual mulher, entre as presentes, em uma reunião, seja aquela que dá em cima de você?E quando ela antecipa que alguém tem algo contra você, que alguém está ficando doente ou que você quer terminar o relacionamento?E quando ela diz que vai fazer frio e manda você levar um casaco? Rio de Janeiro, 40 graus, você vai pegar um avião pra São Paulo. Só meia hora de vôo. Ela fala pra você levar um casaco, porque "vai fazer frio". Você não leva.O que acontece? O avião fica preso no tráfego, em terra, por quase duas horas, depois que você já entrou, antes de decolar. O ar condicionado chega a pingar gelo de tanto frio que faz lá dentro!"Leve um sapato extra na mala, querido. Vai que você pisa numa poça....." Se você não levar o "sapato extra", meu amigo, leve dinheiro extra para comprar outro. Pois o seu estará, sem dúvida, molhado...O sexto-sentido não faz sentido! É a comunicação direta com Deus!Assim é muito fácil... As mulheres são mães! E preparam, literalmente, gente dentro de si. Será que Deus confiaria tamanha responsabilidade a um reles mortal?E não satisfeitas em gerar a vida, elas insistem em ensinar a vivê- la, de forma íntegra, oferecendo amor incondicional e disponibilidade integral.Fala-se em "praga de mãe", "amor de mãe", "coração de mãe"...Tudo isso é meio mágico...Talvez Ele tenha instalado o dispositivo "coração de mãe" nos "anjos da guarda" de Seus filhos (que, aliás, foram criados à Sua imagem e semelhança).As mulheres choram. Ou vazam? Ou extravasam?Homens também choram, mas é um choro diferente.As lágrimas das mulheres têm um não sei quê que não quer chorar, um não sei quê de fragilidade, um não sei quê de amor, um não sei quê de tempero divino, que tem um efeito devastador sobre os homens.....É choro feminino. É choro de mulher...Já viram como as mulheres conversam com os olhos? Elas conseguem pedir uma a outra para mudar de assunto com apenas um olhar. Elas fazem um comentário sarcástico com outro olhar. E apontam uma terceira pessoa com outro olhar.Quantos tipos de olhar existem? Elas conhecem todos...Parece que freqüentam escolas diferentes das que freqüentam os homens! E é com um desses milhões de olhares que elas enfeitiçam os homens. En-fei-ti-çam!E tem mais! No tocante às profissões, por que se concentram nas áreas de Humanas? Para estudar os homens, é claro! Embora algumas disfarcem e estudem Exatas... Nem mesmo Freud se arriscou a adentrar nessa área.Ele, que estudou, como poucos, o comportamento humano, disse que a mulher era "um continente obscuro". Quer evidência maior do que essa?Qualquer um que ama se aproxima de Deus. E com as mulheres também é assim.O amor as leva para perto dele, já que Ele é o próprio amor.Por isso dizem "estar nas nuvens", quando apaixonadas.É sabido que as mulheres confundem sexo e amor.E isso seria uma falha, se não obrigasse os homens a uma atitude mais sensível e respeitosa com a própria vida.Pena que eles nunca verão as mulheres-anjos que têm ao lado.Com todo esse amor de mãe, esposa e amiga, elas ainda são mulheres a maior parte do tempo.Mas elas são anjos depois do sexo-amor. É nessa hora que elas se sentem o próprio amor encarnado e voltam a ser anjos.E levitam. Algumas até voam.Mas os homens não sabem disso. E nem poderiam. Porque são tomados por um encantamento que os faz dormir nessa hora...


Luis Fernando Verissimo

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

TORTURANDO PALAVRAS


Olha que história sensacional recebi por email: Judy Wallman é uma pesquisadora na área de genealogia nos Estados Unidos. Durante pesquisa da árvore genealógica de sua família deu de cara com uma informação interessante. Um tio-bisavô, Remus Reid, era ladrão de cavalos e assaltante de trens. No verso da única foto existente de Remus (em que ele aparece ao pé de uma forca) está escrito:"Remus Reid, ladrão de cavalos, mandado para a Prisão Territorial deMontana em 1885, escapou em 1887, assaltou o trem Montana Flyer por seis vezes. Foi preso novamente, desta vez pelos agentes da Pinkerton, condenado e enforcado em 1889."Acontece que o ladrão Remus Reid é ancestral comum de Judy e do senador pelo estado de Nevada, Harry Reid. Então Judy enviou um email ao senador solicitando informações sobre o parente comum. Mas não mencionou que havia descoberto que o sujeito era um bandido.A atenta assessoria do Senador respondeu desta forma:"Remus Reid foi um famoso cowboy no Território de Montana. Seu império de negócios cresceu a ponto de incluir a aquisição de valiosos ativos eqüestres, além de um íntimo relacionamento com a Ferrovia de Montana. A partir de 1883 dedicou vários anos de sua vida a serviço do governo,atividade que interrompeu para reiniciar seu relacionamento com a Ferrovia.Em 1887 foi o principal protagonista em uma importante investigação conduzida pela famosa Agência de Detetives Pinkerton. Em 1889 Remus faleceu durante uma importante cerimônia cívica realizada em sua homenagem, quando a plataforma sobre a qual ele estava cedeu."Não é sensacional? Palavras e números podem ser torturados pra dizer o que o torturador quiser!Pois bem. Com as eleições dos dinossauros Sarney e Temer para as presidências do Senado e Câmara de Deputados e o mergulho de Lula na campanha de Dilma, assistimos a infindáveis sessões de tortura de palavras,que os marqueteiros do PT chamam de "construções simbólicas". É indispensável portanto preparar-se para ouvir os discursos, ler as matérias, ouvir as reportagens.Esse preparo começa com o estudo e com a leitura. Quem não lê não está preparado para assistir televisão, por exemplo. É a leitura que nos ajuda a construir um repertório suficiente para embasar nossas reflexões,enriquecer nossas comparações, orientar nossos julgamentos e refinar nossa capacidade de tomada de decisão. Através da leitura entramos em contato comas idéias de homens e mulheres que ao longo da história da humanidade trataram dos problemas que nos afligem. Com a leitura aprendemos como o mundo funciona e como o homem se comporta em sociedade. Aprendemos sobre po-lí-ti-ca.Sem a leitura acreditamos nos torturadores profissionais de palavras. E então um "não" passa a significar "sim". E vice-versa. Erros viram acertos.Ladrões são tratados como empresários. Planos eleitoreiros são vendidos como a salvação da pátria. Terroristas passam por refugiados. Assassinos transformam-se em vítimas.Através da leitura e do estudo é possível desenvolver uma espécie de "sexto sentido" para perceber os malabarismos dialéticos, a tortura das palavras.No mínimo isso ajuda a não fazer papel de trouxa.Ah, ia me esquecendo! Em vez de simplesmente acreditar e repassar, decidi ler e estudar. E descobri que a história de Judy, Harry e Remus Reid é falsa. É uma mentira que circula pela internet há nove anos...
Viu só?


Luciano Pires



PS: recebi esse texto de uma amiga.Obrigada Susana.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Saudade


Dos lábios, veio a lastimosa dor

Dos olhos, quentes lágrimas de amor

Dos cabelos, pureza, ventania

Estrelas, flores, ao raiar do dia.



Seu rosto meigo, hálito, perfume

Da noite ao longe, incandescente lume

Prazer das horas, mágivo acalanto

Fulge uma estrela, cintilar do pranto.



Estão chegando sombras, e lembranças

Enlaçadas, sublimes esperanças

Frente à dormente, esmaecida pira.



Em nosso leito feito de veludo

Abraço teu aroma, fico mudo,

Não tenho mais você, tudo é mentira.



Essa poesia é do primeiro livro publicado De Levy De Abreu Cassoni, O Cancioneiro.



Saudades de meu pai querido.Dia 14 de fevereiro se aqui comigo ainda estivesse, teria completado 78 anos.Essa poesia é uma maneira singela de lhe homenagear, pai. Como você mesmo deixou gravado com suas letras miúdas e delicadas: " À você, meu pai, o meu delongado afeto." Beijos meu pai.

Cheiros e recordações


Quantas vezes no meio de mais um corre-corre estressante, sentimos de repente num lampejo de memória um cheiro gostoso que nos transporta ao passado, onde pela manhã havia a mesa posta e um cheirinho de café a percorrer os cômodos da casa, ou de um bolo assando.No meio da tarde, o forno quentinho assando pães de queijo e a molecada sentada ao redor da mesa para lanchar.Me lembro do meu "tio" Dedé, sentado na varanda com uma cesta de carambola ao lado, onde ele passava um tempão tirando os filetes dos gominhos e cortando as "estrelas" das carambolas, para que o doce ficasse além de gostoso, bonito dentro da compoteira. O aroma adocicado pela cozinha do doce de leite esfriando sobre o mármore da pia, para ser cortado em quadrados e colocados no pote e ser servido às visitas repentinas no meio de alguma tarde chuvosa.Quando íamos passar o dia no sítio de meu pai, no meio da tarde acabava chovendo, uma chuva dessas de verão, rápida e grossa, eu me sentava na varanda, sobre a mureta para admirar a água correndo e sentir aquele cheirinho delicioso e peculiar de terra molhada.

Gosto do cheirinho amanhecido de criança quando acorda e se esparrama no colo da mãe pedindo dengosa um beijo e o leite.Até hoje, tenho o hábito de dar " um cheiro" na minha filha quando ela acorda.Algumas vezes quando a brisa sopra através da Dama da noite, o cheiro suave do perfume das flores entra no quarteirão onde moro e vem até a janela do meu carro me fazendo sorrir ao sentir o aroma.

Enfim, a memória nos presenteia com os cheiros e recordações seja da infância ou de algo recente nos propiciando reviver o que sempre será nostálgico, porém muito bom.



Vylna Cassoni

15/02/09

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Meus oito anos




Oh ! Que saudades que tenho

Da aurora da minha vida,

Da minha infância querida

Que os anos não trazem mais!

Que amor, que sonhos, que flores,

Naquelas tardes fagueiras

,À sombra das bananeiras,

Debaixo dos laranjais!

Como são belos os dias

Do despontar da existência!-

Respira a alma inocência

Como perfumes a flor;

O mar é - lago sereno,

O céu - um manto azulado,

O mundo - um sonho dourado

,A vida - um hino d'amor!

Que auroras, que sol, que vida,

Que noites de melodia

Naquela doce alegria,

Naquele ingênuo folgar!

O céu bordado d'estrelas,

A terra de aromas cheia,

As ondas beijando a areia

E a lua beijando o mar!

Oh ! dias da minha infância!

Oh ! meu céu de primavera!

Que doce a vida não era

Nessa risonha manhã!

Em vez das mágoas de agora,

Eu tinha nessas delícias

De minha mãe as carícias

E beijos de minha irmã!

Livre filho das montanhas

,Eu ia bem satisfeito,

Da camisa aberta o peito,-

Pés descalços, braços nus -

Correndo pelas campinas

À roda das cachoeiras,

Atrás das asas ligeiras

Das borboletas azuis!

Naqueles tempos ditosos

Ia colher as pitangas,

Trepava a tirar as mangas,

Brincava à beira do mar;

Rezava às Ave-Marias,

Achava o céu sempre lindo

,Adormecia sorrindo

E despertava a cantar.




.........................................................................................






Oh ! Que saudades que tenhoDa aurora da minha vida,

Da minha infância querida

Que os anos não trazem mais!

Que amor, que sonhos, que flores

,Naquelas tardes fagueiras,

À sombra das bananeiras,

Debaixo dos laranjais! .



Graciliano Ramos.

MEU MODO DE SER




Hoje, ontem, sempre, talvez, nunca, um dia, qualquer hora, ás vezes, certa vez, ano passado, no próximo inverno....A espera muitas vezes toma conta da nossa vida sem que a gente se de conta dela por perto.Nos tornamos escravos de horas, pessoas, compromissos inadiáveis e procuras infindáveis.Esperar por....esperar alguem...esperar a oportunidade certa...esperar a retribuição incerta e se decepcionar com o resultado mal calculado.Esperamos um filho durante quarenta semanas, esperamos por uma conclusão de estudos durante muitos anos, esperamos reencontrar alguém do passado por muitos meses, anos ás vezes, esperamos a gratidão no olhar de quem recebe uma ajuda na hora certa, esperamos um telefonema, uma visita, uma flor, um e-mail, um recado,ou apenas um "olá".Esperar, verbo que para ser conjugado necessita na retaguarda muita calma, perseverança e paciência e o final sempre será uma eterna surpresa ora boa, ora ruim.
Quando somos crianças , temos a expectativa de que o poder de " gente grande" irá chegar e ai sim que seremos felizes.Quando chegamos na adolescência, o faz de conta da meninice torna-se infantil demais e queremos sempre muito mais do que podemos na verdade dar conta.Tudo é para ontem, já devia ter acontecido, o imediato toma conta dos sentidos e do prazer e queremos algo já, nesse exato momento.A displicência muitas vezes anda de mãos dadas com essa pressa voraz de sorver o mundo de maneira prática e descartável.Quando criança, na maioria das vezes engolimos o que foi conquistado, na espera da próxima conquista por vir.Voce já ouviu falar da menina que ganhou a bacia de jabuticabas?Não? Então lá vai....ela devorou as jabuticabas tão depressa que nem ao menos conseguiu sentir o aroma e o sabor daquelas frutas tão adocicadas e suculentas e quando se deu conta que estavam no fim, restando apenas algumas frutinhas, começou então a degustá-las de forma mais prazerosa e sutil, prestando mais atenção no sabor, na textura, na forma, na cor...diria até que se pudesse iria roer alguns caroços para que as tão poucas restantes pudessem demorar mais para chegar ao fim.Assim são as pessoas.Se você prestar atenção, todos estão voltados para seu próprio umbigo, sem tempo para um olá amigo, um telefonema, uma palavra amiga, ou apenas ficar próximo apreciando alguma musica, alguma paisagem.....apenas isso.Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente mais humana, que olha para o próximo, que ri dos seus erros, que não se vangloria de vitórias, que no meio da noite se lembra de alguém que pode estar esperando por uma palavra boa de ouvir.Nada faz sentido se não conseguirmos sermos honestos conosco e com os demais. Se a gente cresce com os golpes duros da vida, também podemos crescer com os toques suaves na alma.Precisamos alimentar as boas amizades com pequenos gestos, tornar a vida de alguém juntamente com a nossa mais prazerosa e humanamente sensível.Algumas pessoas passam por sobre as demais como se fossem um rolo compressor sem se dar conta no entanto que lá na frente a vida pode sofrer mudanças e com isso elas passam a precisar das tais pessoas massacradas durante o percurso.Se não puder fazer algo de bom na vida como ajudar alguém, passar adiante um conhecimento então fique no seu insignificante e acomodado mundo olhando a vida passar, esperando a morte chegar...



Vylna Cassoni

25/03/2008

EU




Observe a mesma mulher aos 20 e aos 40 anos. Na segunda fase ela será umas sete ou oito vezes mais interessante, sedutora e irresistível do que na primeira. Ela deixa o frescor juvenil, com certeza. Mas, deixa também a insegurança de não saber ainda o que quer da vida , de si mesma e de um homem. Como se conhece melhor, é muito mais autêntica, centrada, certeira no trato consigo mesma, e com seu homem, e ele tem que merecê-la.. Aos 40 anos, a mulher sabe se vestir. Domina a arte de valorizar os pontos fortes e disfarçar o que não interessa mostrar.Sabe escolher sapatos, tecidos e decotes, maquiagem e corte de cabelo. Gasta mais porque tem mais dinheiro. Mas, sobretudo, gasta melhor. Aos 40, ela possui gestos mais delicados, elegantes e sensuais.Nessa fase, carrega um olhar muito mais matador e finge indiferença com mais competência quando interessa repelir.Já não é mais a menina bobinha, ingênua. Aos 20, a mulher tem espinhas. Aos 40, tem pintas, que se parecem com trilhas a serem seguidas sendo que só sabe mesmo onde terminam uns poucos e sortudos escolhidos. Aos 20 a mulher é escolhida. Aos 40, é ela quem escolhe. E não veste mais calcinhas que não lhe favorecem. Só usa lingeries com altíssimo poder de fogo. Também aprende a se perfumar na dose certa, com a fragrância exata. Aos 40, ela é mais natural, sábia e serena.No jogo com os homens, já aprendeu a atuar no contra-ataque. Quando dá o bote, é para liquidar a fatura. Mostra sua força na hora certa e de modo sutil, não para exibir poder, mas para resolver tudo a seu favor, antes de chegar o ponto de precisar exibi-lo. Sabiamente, goza das prerrogativas da condição feminina sem engolir sapos supostamente decorrentes do fato de ser mulher.Aprende a ter jogo de cintura nos modos mais figurados e literais da frase.Sabe esperar a hora certa de se fazer entender.Aprende a lidar com os homens.Já estudou, leu, aprendeu outra língua , teve filhos, plantou flores, trocou de amores, viajou, esperou por alguém, levou cantada e bolo, trocou de fone, mudou de cidade,fez caridade e por onde passou deixou marcas inesquecíveis.Não tem mais 20 anos - ou porque ainda tem mas percebeu que eles não vão durar para sempre - fique tranqüila :É aos 40 que se começa a viver de verdade! To quase chegando lá!


PS:Cheguei!



Vylna Cassoni

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

" Em algum lugar do passado"





Estava na cozinha ajeitando umas coisas em casa quando na tv ligada na sala, começou essa música linda e na hora me veio na memória esse filme e o mais curioso, esse trecho ...exatamente esse trecho.Parei de fazer o que fazia e fui até a sala para constatar o que já sabia.Sentei-me no degrau e fiquei ouvindo e vendo a cena imaginando se isso seria possível realmente acontecer.Viver várias vidas em épocas diferentes, sendo alguém diferente do que sou hoje,mas com alguma ponte que me ligasse aos que amo e que me cercam.Será que isso poderá um dia ser respondido claramente?Talvez.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Carmem Miranda


Carmen Miranda, pseudônimo de Maria do Carmo Miranda da Cunha, nascida em Portugal em 09 de fevereiro de 1909. Era a segunda filha do barbeiro José Maria Pinto Cunha (1887-1938) e de Maria Emília Miranda (1886-1971). Ganhou o apelido de Carmen no Brasil, graças ao gosto que seu pai tinha por óperas.Pouco depois de seu nascimento, seu pai, José Maria, emigrou para o Brasil, onde se instalou no Rio de Janeiro.Sua carreira artística transcorreu no Brasil e Estados Unidos entre as décadas de 1930 a 1950. Trabalhou no rádio, no teatro de revista, no cinema e na televisão. Chegou a receber o maior salário até então pago a uma mulher nos Estados Unidos. Seu estilo eclético faz com que seja considerada precursora do tropicalismo, movimento cultural brasileiro surgido no final da década de 1960.O grande sucesso veio a partir de 1930, quando gravou a marcha "Pra Você Gostar de Mim" ("Taí") de Joubert de Carvalho.De vida amorosa conturbada e casamento infeliz, ela começou a fazer uso de barbitúricos desde o início de sua carreira, para dar conta de uma agenda extenuante.Aos 46 anos morreu de um colapso cardíaco fulminante sendo encontrada pela manhã por sua empregada, no dia 5 de agosto de 1955.



Algumas das músicas mais famosas dela:

























Filmografia:


A Voz do Carnaval (1933)
Alô, Alô, Brasil (1935)
Estudantes (1935)
Alô, Alô, Carnaval (1936)
Bananas da Terra (1939)
Laranja da China (1940)
Serenata Tropical (1940)
That Night in Rio (1941)
Week-End in Havana (1941)
Springtime in the Rockies (1942)
The Gang's All Here (1943)
Four Jills in a Jeep (1944)
Greenwich Village (1944)
Something for the Boys (1944)
Doll Face (1945)
Se eu Fosse Feliz (1946)
Copacabana (1947)
O Príncipe Encantado (1948)
Romance Carioca (1950)
Scared Stiff (1953)



Visite o Museu Virtual Carmen Miranda:

http://www.carmen.miranda.nom.br/

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Best seller desde o lançamento, em 1988


" Os Catadores de Conchas", conta a vida de uma mulher simples como tantas outras existentes pelo mundo. Penelope Keeling é filha de um pintor vitoriano e uma jovem francesa liberal e independente.É justamente a vida simples e sua personalidade forte que torna esse romance tão agradável e atraente.Casou-se e teve três filhos, porém não foi feliz no casamento.Descobriu o amor mais tarde, mas as tragédias e problemas decorrentes desse amor, deixaram marcas profundas até os últimos dias que viveu. Seu pai, lhe dera um belíssimo quadro o qual denominou " Os Catadores de Conchas" e Penelope não se separou deve até sentir que estava na hora dele voltar ao seu verdadeiro lar.Seus filhos, cada um com seu mundo particular e completamente diferentes entre si, cada qual com suas alegrias e tristezas intransponíveis, dos quais dois se mostraram terrivelmente ambiciosos pelos quadros e esboços que o avô supostamente havia deixado à Penelope, buscaram a vida toda obter dela uma herança polpuda.Nas 697 páginas desse universo lindo, apaixonate e absolutamente contagiante o leitor irá se transformar numa Penelope também tentando adivinhar o próximo capítulo e destino de uma mulher tão prática, simples, sincera, bela e vigorosa.

Nossa língua portuguesa




Muito interessante conhecer o significado dessas frases populares.




Frase: Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho carpinteiro.


Significado: Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho no corpo inteiro.




Frase: Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão.


Significado: Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão.




Frase: Cor de burro quando foge.


Significado: 'Corro de burro quando foge!




Frase: Quem tem boca vai a Roma.


Significado: Quem tem boca vaia Roma.




Frase: Cuspido e escarrado.


Significado: Esculpido em Carrara. "Carrara, Itália, onde se considera haver o mais perfeito mármore".




Frase: Quem não tem cão, caça com gato.


Significado: Quem não tem cão, caça como gato... "ou seja, sozinho".

A menina que roubava livros


Hoje resolvi falar (escrever) de amor.Um amor diferente do amor amante, mas AMOR.O amor de uma menininha por seu papai, por seu amigo judeu que mora no porão, por seu melhor amigo Rudy Steiner e até pela sua nova mamãe ranzinza.Estou falando de "A menina que roubava livros" de Markus Zusac.A história de Liesel Meminger (a roubadora de livros, como ela gostava de ouvir) se passa entre 1939 e 1943. Liesel encontrou a Morte 3 vezes nesse período. E saiu viva das 3 ocasiões. Talvez por isso a Morte tenha resolvido nos contar sua história. E como diz na capado livro, não é todo dia que a Morte conta uma história, então vale a pena parar para ler....Interessante definição da Morte sobre Si mesma;Eu não carrego gadanha nem foice.só uso um manto preto com capuz quando faz frio.E não tenho aquelas feições de caveira que vocêsparecem gostar de me atribuir à distância.Quer saber a minha verdadeira aparência?Eu ajudo. Procure um espelho enquanto eu continuo.Confesso que comecei a ler esse livro umas 5 vezes antes de conseguir continuar... O começo é maçante demais... Confuso...Mas, persisti e já passei da página 350 (são 500 ao todo).Está valendo a pena.E muito.A princípio, pensei que leria sobre roubo de livros. Mas não. Eles são narrados sim, mas poucos são realmente 'furtos'. E o motivo deles é tão simples e sincero que é impossível julgar e condenar a menina. É quase como uma mãe que pega um pedaço de pão dormido para seu filho faminto. É necessidade! É urgência! É perdoável... Compreensível...O foco da história, ao meu ver, é o amor. Sei que cada um tem seu momento de vida. Pode ser que muitos leiam e digam que o livro é sobre a guerra, os judeus, o nazismo e o holocausto. Outros dirão que é sobre uma menina que roubava livros. Eu digo que é sobre o amor.Um amor sincero, inocente e doador, como só as crianças são capazes de nos mostrar.Em um tempo em que a Alemanha era transformada diariamente pela guerra, dando trabalho dobrado à Morte, vemos a beleza da vida pelos olhos dessa 'linda' menina.O livro tem passagens lindas como a preocupação de Liesel com Max (o judeu no porão) quando ele ficou doente. Não era sobre o que fazer com o corpo de um judeu em plena Alemanha nazista, mas sim sobre o que fazer sem seu melhor amigo. Outras marcantes, como as partes intituladas "O diário da Morte", em que a própria conta trechos de sua 'vida'. São momentos reflexivos. A Morte se diz cansada. Quer férias, que nunca terá. Fala de Deus.Enfim, não acabei de ler ainda, mas recomendo a todos que curtem uma boa leitura, como eu...



Markus Zusak tem 31 anos e é australiano.

Outros livros dele:

Eu sou o mensageiro.

Série Martha Medeiros


Você bem que podia ter surgido na minha vida

vinte anos atrás, quando eu ainda tinha planos

quinze anos atrás, quando eu estava me formando

onze anos atrás, quando eu morava sozinha

dez anos atrás, quando eu ainda era solteira

seis anos atrás, quando sobrava alguma força

ontem à noite eu ainda estava te esperando.


Martha Medeiros

Revista Globo


By Martha Medeiros


Depois de um bom tempo dizendo que eu era a mulher da vida dele, um belo dia eu recebo um e-mail dizendo: "olha, não dá mais".
Tá certo que a gente tava quase se matando e que o namoro já tinha acabado mesmo, mas não se termina nenhuma história de amor (e eu ainda o amava muito) com um e-mail, não é mesmo?
Liguei pra tentar conversar e terminar tudo decentemente e ele respondeu: "mas agora eu to comendo um lanche com amigos".
Enfim, fiquei pra morrer algumas semanas até que decidi que precisava ser uma mulher melhor para ele. Quem sabe eu ficando mais bonita,mais equilibrada ou mais inteligente, ele não volta pra mim?
Foi assim que me matriculei simultaneamente numa academia de ginástica, num centro budista e em um curso de cinema.
Nos meses que se seguiram eu me tornei dos seres mais malhados, calmos, espiritualizados e cinéfilos do planeta.
E sabe o que aconteceu?
Nada, absolutamente nada, ele continuou não lembrando que eu existia.
Aí achei que isso não podia ficar assim, de jeito nenhum, eu precisava ser ainda melhor pra ele, sim, ele tinha que voltar pra mim de qualquer jeito.
Decidi ser uma mulher mais feliz, afinal, quando você é feliz com você mesma, você não põe toda a sua felicidade no outro e tudo fica mais leve.
Pra isso, larguei de vez a propaganda, que eu não suportava mais, e resolvi me empenhar na carreira de escritora, participei de vários livros,terminei meu próprio livro, ganhei novas colunas em revistas, quintupliquei o número de leitores do meu site.... e nada aconteceu.
Mas eu sou taurina com ascendente em áries, lua em gêmeos e filha única!
Eu não desisto fácil assim de um amor, e então resolvi que eu tinha que ser uma super ultra mulher para ele, só assim ele voltaria pra mim.
Foi então que passei 35 dias na Europa, exclusivamente em minha companhia, conhecendo lugares geniais, controlando meu pânico em estar sozinha e longe de casa, me tornando mais culta e vivida.
Voltei de viagem e tchân, tchân, tchân, tchân: nem sinal de vida.
Comecei um documentário com um grande amigo, aprendi a fazer strip, cortei meu cabelo 145 vezes, aumentei a terapia, li mais uns 30 livros, ajudei os pobres, rezei pra Santo Antonio umas 1.000 vezes, torrei no sol, fiz milhares de cursos de roteiro, astrologia e história, aprendi a nadar, me apaixonei por praia, comprei todas as roupas mais lindas de Paris.
Como última cartada para ser a melhor mulher do planeta, eu resolvi ir morar sozinha.
Aluguei um apartamento charmoso, decorei tudo brilhantemente, chamei amigos para a inauguração, servi bom vinho e comidinhas feitas, claro, por mim, que também finalmente aprendi a cozinhar.
Resultado disso tudo: silêncio absoluto.
O tempo passou, eu continuei acordando e indo dormir todos os dias querendo ser mais feliz para ele, mais bonita para ele, mais mulher para ele.
Até que algo sensacional aconteceu.
Um belo dia eu acordei tão bonita, tão feliz, tão realizada, tão mulher, que eu acabei me tornando mulher demais para ele.
Ele quem mesmo?

A COMPLICADA ARTE DE VER



Ela entrou, deitou-se no divã e disse: "Acho que estou ficando louca". Eu fiquei em silêncio aguardando que ela me revelasse os sinais da sua loucura. "Um dos meus prazeres é cozinhar. Vou para a cozinha, corto as cebolas, os tomates, os pimentões - é uma alegria!
Entretanto, faz uns dias, eu fui para a cozinha para fazer aquilo que já fizera centenas de vezes: cortar cebolas. Ato banal sem surpresas. Mas, cortada a cebola, eu olhei para ela e tive um susto. Percebi que nunca havia visto uma cebola. Aqueles anéis perfeitamente ajustados, a luz se refletindo neles: tive a impressão de estar vendo a rosácea de um vitral de catedral gótica.
De repente, a cebola, de objeto a ser comido, se transformou em obra de arte para ser vista! E o pior é que o mesmo aconteceu quando cortei os tomates, os pimentões... Agora, tudo o que vejo me causa espanto."
Ela se calou, esperando o meu diagnóstico. Eu me levantei, fui à estante de livros e de lá retirei as "Odes Elementales", de Pablo Neruda. Procurei a "Ode à Cebola" e lhe disse: "Essa perturbação ocular que a acometeu é comum entre os poetas. Veja o que Neruda disse de uma cebola igual àquela que lhe causou assombro: 'Rosa de água com escamas de cristal'. Não, você não está louca.Você ganhou olhos de poeta... Os poetas ensinam a ver".
Ver é muito complicado. Isso é estranho porque os olhos, de todos os órgãos dos sentidos, são os de mais fácil compreensão científica. A sua física é idêntica à física óptica de uma máquina fotográfica: o objeto do lado de fora aparece refletido do lado de dentro. Mas existe algo na visão que não pertence à física.
William Blake sabia disso e afirmou: "A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o tolo vê". Sei disso por experiência própria. Quando vejo os ipês floridos, sinto-me como Moisés diante da sarça ardente: ali está uma epifania do sagrado.
Mas uma mulher que vivia perto da minha casa decretou a morte de um ipê que florescia à frente de sua casa porque ele sujava o chão, dava muito trabalho para a sua vassoura. Seus olhos não viam a beleza. Só viam o lixo.
Adélia Prado disse: "Deus de vez em quando me tira a poesia. Olho para uma pedra e vejo uma pedra". Drummond viu uma pedra e não viu uma pedra. A pedra que ele viu virou poema.
Há muitas pessoas de visão perfeita que nada vêem.
"Não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores. Não basta abrir a janela para ver os campos e os rios", escreveu Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa. O ato de ver não é coisa natural. Precisa ser aprendido.
Nietzsche sabia disso e afirmou que a primeira tarefa da educação é ensinar a ver. O zen-budismo concorda, e toda a sua espiritualidade é uma busca da experiência chamada "satori", a abertura do "terceiro olho". Não sei se Cummings se inspirava no zen-budismo, mas o fato é que escreveu:"Agora os ouvidos dos meus ouvidos acordaram e agora os olhos dos meus olhos se abriram".Há um poema no Novo Testamento que relata a caminhada de dois discípulos na companhia de Jesus ressuscitado. Mas eles não o reconheciam. Reconheceram-no subitamente: ao partir do pão, "seus olhos se abriram".
Vinicius de Moraes adota o mesmo mote em "Operário em Construção": "De forma que, certo dia, à mesa ao cortar o pão, o operário foi tomado de uma súbita emoção, ao constatar assombrado que tudo naquela mesa - garrafa, prato, facão - era ele quem fazia. Ele, um humilde operário, um operário em construção".
A diferença se encontra no lugar onde os olhos são guardados. Se os olhos estão na caixa de ferramentas, eles são apenas ferramentas que usamos por sua função prática.Com eles vemos objetos, sinais luminosos, nomes de ruas - e ajustamos a nossa ação. O ver se subordina ao fazer. Isso é necessário. Mas é muito pobre.
Os olhos não gozam... Mas, quando os olhos estão na caixa dos brinquedos, eles se transformam em órgãos de prazer: brincam com o que vêem, olham pelo prazer de olhar, querem fazer amor com o mundo. Os olhos que moram na caixa de ferramentas são os olhos dos adultos. Os olhos que moram na caixa dos brinquedos, das crianças. Para ter olhos brincalhões, é preciso ter as crianças por nossas mestras.
Alberto Caeiro disse haver aprendido a arte de ver com um menininho, Jesus Cristo fugido do céu, tornado outra vez criança, eternamente: "A mim, ensinou-me tudo. Ensinou-me a olhar para as coisas. Aponta-me todas as coisas que há nas flores. Mostra-me como as pedras são engraçadas quando a gente as têm na mão e olha devagar para elas".
Por isso - porque eu acho que a primeira função da educação é ensinar a ver - eu gostaria de sugerir que se criasse um novo tipo de professor, um professor que nada teria a ensinar, mas que se dedicaria a apontar os assombros que crescem nos desvãos da banalidade cotidiana. Como o Jesus menino do poema de Caeiro. Sua missão seria partejar "olhos vagabundos"...
(Rubem Alves)

VENDE-SE TUDO



No mural do colégio da minha filha encontrei um cartaz escrito por uma mãe, avisando que estava vendendo tudo o que ela tinha em casa, pois a família voltaria a morar nos Estados Unidos. O cartaz dava o endereço do bazar e o horário de atendimento. Uma outra mãe, ao meu lado, comentou:- Que coisa triste ter que vender tudo que se tem.- Não é não, respondi, já passei por isso e é uma lição de vida. Morei uma época no Chile e, na hora de voltar ao Brasil, trouxe comigo apenas umas poucas gravuras, uns livros e uns tapetes. O resto vendi tudo, e por tudo entenda-se: fogão, camas, louça, liquidificador, sala de jantar, aparelho de som, tudo o que compõe uma casa. Como eu não conhecia muita gente na cidade, meu marido anunciou o bazar no seu local de trabalho e esperamos sentados que alguém aparecesse. Sentados no chão. O sofá foi o primeiro que se foi. Às vezes o interfone tocava às 11 da noite e era alguém que tinha ouvido comentar que ali estava se vendendo uma estante. Eu convidava pra subir e em dez minutos negociávamos um belo desconto. Além disso, eu sempre dava um abridor de vinho ou um saleiro de brinde, e lá se iam meus móveis e minhas bugigangas. Um troço maluco: estranhos entravam na minha casa e desfalcavam o meu lar, que a cada dia ficava mais nu, mais sem alma. No penúltimo dia, ficamos só com o colchão no chão, a geladeira e a tevê. No último, só com o colchão, que o zelador comprou e, compreensivo, topou esperar a gente ir embora antes de buscar. Ganhou de brinde os travesseiros. Guardo esses últimos dias no Chile como o momento da minha vida em que aprendi a irrelevância de quase tudo o que é material. Nunca mais me apeguei a nada que não tivesse valor afetivo. Deixei de lado o zelo excessivo por coisas que foram feitas apenas para se usar, e não para se amar. Hoje me desfaço com facilidade de objetos, enquanto que se torna cada vez mais difícil me afastar de pessoas que são ou foram importantes, não importa o tempo que estiveram presentes na minha vida.
Desejo para essa mulher que está vendendo suas coisas para voltar aos Estados Unidos a mesma emoção que tive na minha última noite no Chile. Dormimos no mesmo colchão, eu, meu marido e minha filha, que na época tinha 2 anos de idade. As roupas já estavam guardadas nas malas. Fazia muito frio. Ao acordarmos, uma vizinha simpática nos ofereceu o café da manhã, já que não tínhamos nem uma xícara em casa. Fomos embora carregando apenas o que havíamos vivido, levando as emoções todas: nenhuma recordação foi vendida ou entregue como brinde. Não pagamos excesso de bagagem e chegamos aqui com outro tipo de leveza.


Martha Medeiros

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Cabra-cega



Tenho me perguntado muitas coisas. Muitas delas que não posso responder e isso vem me tirando a fome, me acordando no meio da noite, me afetando de tal maneira que qualquer brecha de sol me faz desejar uma sombra ao pé da árvore. Em algum ponto da minha vida eu achei que com o chicote certo na mão e esporas devidamente afiadas eu poderia ser a dona do meu mundo. A amazona que rege seu próprio caminho. Mas agora eu corro sem querer correr e sinto o arreio esmagar minha barriga, chego mesmo a sentir a hemorragia me contaminar por dentro. Mas se o chicote come solto a gente tem que andar não é? E o cabresto na minha cara vira inércia. São nomes que já perderam o sentido, fatos e aborrecimentos que já nem ligo, aniversariantes, datas e telefones que decorei antes mesmo de apagar. E que continuam lá, em algum canto de mim. Já não é qualquer tentativa de reaproximação, ou qualquer primeiro contato. São apenas espinhos do que um dia foi meu roseiral. Em certas noites de lua cheia, quando o céu veste sua túnica preta e desaparecem as estrelas e seus pedidos eu perambulo nua. De pés descalços eu sigo pelos mesmos caminhos, me perco nos mesmos atalhos, chego a cair nos mesmos buracos. Nesses dias de escura imensidão eu sou sonâmbula de mim e meu corpo avança por esse quarto movido por lembranças, cheiros, memória vaga. Talvez seja o cansaço. Talvez eu seja a cabra-cega da minha vida. Talvez eu cai no chão e pedi água. Talvez eu só esteja crescendo. Antes tudo fosse como era antes. Antes tudo fosse a sala de espera do dentista. Chegava-se na hora certa e se houvesse atraso não seria problema, sentaria-se num sofá confortável com a televisão ligada na globo, beberia-se um copo de água daqueles de galão com gosto de plástico e fingiria-se despreocupado. De certo aquele barulhinho da mini-broca matava-me por dentro, mas eu agüentaria firme. Eu suportaria firme e calada porque eu sabia que dentro de meia hora qualquer dor que incomodava seria rapidamente extraída de mim. E eu suportaria um tiro no pé. Uma agulha enfiada debaixo da minha unha. Eu suportaria qualquer coisa que arrancasse aquela dor de mim. Dor que a aspirina tinha escondido, mas que na noite passada latejou e me pegou desprevenida. Mas não estou no dentista e nem na sala de espera. Eu estou dentro de mim procurando aquilo que não posso enxergar. Aquilo que sem alvará se apossou de um pedaço de mim. Aquilo que sem eu perceber ás vezes me leva. E eu não sei até onde posso ir, eu não sei onde pisar porque só agora eu percebi o quão é tudo muito escorregadio dentro de mim.

Desconheço a autoria.

Menininha




Menininha do meu coração
eu so quero você a três palmos do chão
Menininha não cresca mais não
fique pequinininha nessa minha canção
senhorinha levada
batendo palminha
fingindo assustada do bicho-papão
menininha que graça é voce
uma coisinha assim começando a viver
fique assim meu amor sem crescer
porque o mundo e ruim
e você vai sofrer de repente, uma desilusão
porque a vida é somente o seu bicho-papão
fique assim, fique assim, sempre assim
e se lembre de mim pelas coisas que eu dei
e tambem não se esqueca de mim
quando você souber enfim de tudo o que eu amei…

Música de toquinho

A obsessão por ser perfeita

"Pergunte a si mesmo: assumir tantos compromissos e ser tão tirânica em relação ao seu desempenho está fazendo vc uma mulher mais feliz? Se a resposta é não, pare td e troque por um cotidiano mias realista. Luxo não é ter a agenda lotada, não é encarar qualquer trabalho por dinheiro, não é atender a tds e criar para si mesma a falsa impressão de ser indispensável. É ter tempo. Tempo para fazer nada. Tempo para fazer td. A mulher moderna anda muito antiga. Acredita que, se não for super, se não for mega, se não for uma ISO 9000, não será bem avaliada. Está tentando provar não-sei-o-quê para não-sei-quem. Desacelerar tem um custo. Talvez seja preciso esquecer a bosla Prada, o hotel decorado pelo Philippe Starck e o batom da Mac, mas se vc precisa vender a alma ao diabo para ver td isso, francamente, está precisando rever seus valores. E descobrir que uma bolsa de palha, uma pousadinha rústica à beira-mar e o rosto lavado (o.k., esqueça o rosto lavado) podem ser prazeres cinco estrelas e nos dar uma nova perspectiva sobre o que é, afinal, ter um luxo de vida" .
- Martha Medeiros

Amar.Verbo (in) transitivo direto.



Como a gramática nos mostra, amar é um verbo transitivo direto, que exige complementação.Mas, o amor que todos nós procuramos, os descritos em livros, novelas onde a perfeição sentimental realmente existe, os romances publicados por grandes autores, por si só, já nos mostra o que significa.Ele tem um sentido pleno e completo, onde amar é sentir dentro de si o mais difícil e puro sentimento que se pode experimentar durante a vida toda.Mesmo quem ama de forma exagerada ou açucarada.Quem não consegue se entregar durante essa jornada, não existe plenamente e portanto, jamais viverá o amor de forma natural, onde o que importa é amar intransitivamente para depois amar transitivamente.” Ensinar ” o amor a alguém é algo que acontece de forma mágica, diria até que acontece por osmose, como se fosse uma troca simultânea onde eu te dou o meu melhor e quero de você o seu melhor.As mulheres talvez “amem demais ” ou ” de forma única e diferente”, mas acho até que isso se deve pelo fato de possuírem a capacidade de amar antes mesmo de poder ver ou tocar o que está dentro delas.As mães torcem e amam seus filhos de maneira especial mesmo quando apenas suspeitam de uma possível gravidez.Por isso, amar, compartilhar e ensinar esse amor universalmente conhecido pela sua grandiosidade e pureza, é tarefa quase 100 % maternal.Amar sem medidas, sem receios, sem mágoas.Amar a natureza ou a pessoa mais complicada ao seu lado, amar seu cachorro ou o time do coração, amar o que não se pode ter, as pessoas que aqui já não estão,os sons da natureza, uma música ou apenas o cheirinho de terra molhada quando a chuva começa a cair, enfim…amar!Ame com devoção sempre, não importanto se você será retibuído ou não, pois a sua recompensa já está em você.Você sente e vive a vida de forma mais bonita e prazerosa.Seu corpo agradece os bons fluídos que correm dentro dele, aumentando a vontade de amar, amar e amar.Quem distribue amor e carinho, bondade e alegria, sorri mais e possui dentro do olhar o brilho da felicidade vivendo de forma plena o melhor presente que podemos ganhar do Universo: a vida!
Vylna Cassoni
25/01/09

Meu presente de aniversário.

http://br.youtube.com/watch?v=6HqnqFlpANI

Salmão


Você estava mais bonito ainda e inacreditavelmente suave vestido de salmão.Dizem que o salmão está associado à felicidade e à harmonia, então talvez por ter este significado belo que seja a minha cor preferida dentre tantas que existem no universo...e foi com essa que você partiu.A mistura do salmão com o branco, com leves riscas de amarelo bebê entrelaçados com rosa claro....assim te vi pela última vez, antes de ser levado embora de mim.Difícil esquecer, impossível não sofrer, não chorar, não tentar tocar, roçar novamente minha boca nos seus cabelos finos, cheirosos e macios como estavam sob o véu branco.Nas mãos, a palheta que te acompanhou pela vida, sempre tocando o violão e alegrando quem por perto estava.A rosa que coloquei junto, foi para que você não esqueça de mim por onde andar.Se você puder me ver, ouvir, sentir...espero que seja de forma carinhosa, amorosa...porque aqui onde permaneço você faz uma falta absurda, e a saudade de você não passa nem diminue absolutamente nada.Após longos oito anos sem você por perto, pude te reencontrar, te beijar, te escutar, te tocar, falar, ver, saber coisas e ver que você apesar de....era o meu Paulo.A essência de quem somos permanece até o fim, mesmo com todas as perturbações de uma vida toda.Assim te senti.O mesmo de sempre, o mesmo de pequeno, o mesmo de rapaz, o mesmo de tantas brigas e de tantas risadas juntos.Espero que onde estejas, me leve no peito e que seja muito mais feliz do que antes.Obrigada pela chance que tive.....Te amo!!!!

Vylna Cassoni
19/03/08

Saudade.


Perdi meu amado pai, há exatos quatro anos.Jamais vou poder descrever a sensação de impotência de vê-lo me olhando com o medo estampado num olhar de súplica por saber e entender que o fim chegava.Na medida do possível cuidamos dele e nos últimos tempos vi meu pai virar criança e a doença maltratar não apenas seu corpo como também sua dignidade.Falar coisas desconexas,não reconhecer pessoas, não saber nem mesmo onde se encontrava.Ver a enfermidade levá-lo de mim foi difícil e assustador e como citou Lya ,nunca fui tão filha como na orfãndade.Mesmo doente preso a uma cama ele estava lá e hoje ele está apenas na memória dos que o aceitaram e amaram como ele foi.Não tenho mais nem mesmo um pai doente para chamar de pai.Ele se foi.Todos os dias me lembro dele.Sempre tem uma situação ou outra que me remete ao passado e neste exato momento ouvindo Noturnos de Chopin, fica impossível não fechar os olhos e senti-lo presente.Somos egoístas e não queremos deixar partir este ou aquele que amamos, mas quem já infelizmente perdeu alguém que amou e amará até o último suspiro,sabe da dor a que me refiro.Pai….pai….pai!


Vylna Cassoni.
13/01/07

As três lágrimas

Si eu pudesse me esquecê
Aquela noite de São João
Era bem bão, mas quá, não vê
Era a moça mais bonita
Com seu vestido de chita
Todo enfeitado de fita,
Dessa noite do sertão.
No vortá do sapateado
Foi que nóis se conhecemo,
Nossos óios se gostarum
E nóis tambem se gostemo.
No geme da viola,
Essa dô que nos consola,
Eu lhe fiz a declaração,
E como quem pede esmola,
Os meus óios mendigavam
Uns oiá dos óios seus;
Quando a esmola chegou
Ché, meu Deus; eu não sei o que senti,
Não sei memo, pra que menti,
Eu não sei o que era aquilo
Senti um nó nos gargomilo,
Uma vontade de chorá
Eu inda quiz segurá,
Mas quá;tudo cansa,
Os meus óios se orvaiou,
E uma lágrima rolou
Purquê eu tinha esperança.
***********************************************************************
Um ano mais se passou
Quando foi no outro S. João
Era a noiva mais bunita,
Com seu vestido de chita,
Todo enfeitado de fita,
Que pisou na povoação.
Quando saímo da Egreja,
Da nossa filicidade.
Eu tava tão satisfeito, tão satisfeito
Parecia que o meu peito,
Queria arrebentá…
Eu, até nem sei expricá,
Eu não sei como foi aquilo,
Senti um nó nos gargomilo,
Uma vontade de chorá,
Eu ainda quiz segura,
Mas quá, quem diz,
Os meus óio se orvaiou
E uma lágrima rolou
Prá morde eu sê tão feliz.
**********************************************************************
Quando foi no outro S. João,
Quatro vela ainda acesa
Lá na mesa,
Alumiava o seu caixão.
Ainda tava mais bunita
Com seu vestido de chita,
Todo enfeitado de fita
E um ramo de frô na mão.
Meus óios tavam seco,
Qui nem roça de coivara
Na hora dela parti,
Eu não queria qu´ela fosse ansim
Sem se dispidí de mim.
Garrei na cabeça d´ela,
E como um louco beijei,
Beijei a sua face amarela.
Quando larguei, ché meu Deus,
As minhas lágrima se mudou prá os óios seus.
Quando ela partiu,
Eu já não sabia chorá,
O resto das minhas lágrima
Eu dei pr´éla levá.
E agora às veis, de tardinha
Eu garrode cismá, de cismá,
De repente, sem querê,
Não sei pruquê,
Mi dá uma vontade de chorá,
Mais quá, quem ha de,
Os meus óios se secô na dô desta sôdade!

De Campos Negreiros.

PS: a saudade é absurda e se eu puder ficar em silêncio por um minuto , posso escutar a voz de meu avô declamando ela como sempre fazia a cada reunião em família.Sds, sds e sds vô Geraldo.Descanse em paz.